Maturidade em Processos – SDPS

Se você achou este artigo útil, ajude a mantê-lo disponível, compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Juliana Jenny Kolb

teste seu conhecimento

Home > Gerenciamento de Processos

Maturidade em Processos – SDPS

A visão da Society for Design and Process Science (SDPS) de maturidade de processos acompanha a própria definição de seu ciclo de gestão, ou seja, os níveis pretendidos basicamente dizem respeito a cada uma das etapas do conhecimento das equipes envolvidas e da minimização dos riscos de efeitos indesejados:

Nível 1 – Processos modelados

Os processos são identificados a partir de seus valores, de seus impactos / motivações /
características, de seus papéis (valor adicionado, insumo, referência, infraestrutura), das
sincronias envolvidas (critérios, condições / ações, atividades) e de seus efeitos colaterais.

Nível 2 – Processos simulados

Os processos são simulados a partir da introdução de dados estimados (quantidades, filas,
tempos de espera, tempos de transformação, distribuições estatísticas, valores máximo /
mínimo / médio, etc) que nos permitem a criação e a análise de cenários distintos,  reduzindo os riscos da implantação e induzindo, quando necessário, mudanças nos modelos de processos.

Nível 3 – Processos emulados

Os processos são emulados a partir da coexistência de dados da realidade junto aos dados
estimados, permitindo um maior refinamento dos cenários e dos possíveis impactos e,
novamente, minimizando a possibilidade de efeitos indesejados.

Nível 4 – Processos encenados

Os processos são realizados conforme os modelos desenhados, simulados e emulados, e a
observação das novas condições exigidas pela realidade induz a permanente adequações dos requisitos de processo.

Nível 5 – Processos interoperados

Os processos são executados e geridos além das fronteiras organizacionais, promovendo
cadeias de valor entre instituições como, por exemplo, no caso da execução de políticas
públicas.

Os conceitos e métodos descritos neste texto tornam-se mais facilmente compreendidos a
partir das experiências práticas de instituições públicas que aplicaram a abordagem por processos, anexas a este documento e disponíveis em http://seges.planejamento.gov.br/processos.